fbpx

ACORDO DE TRANSAÇÃO TRIBUTÁRIA

Transação tributária, uma opção para regularizar débitos tributários federais. Conheça as modalidades!

Conhecer a Transação Tributária é essencial para as empresas com passivos tributários, uma vez que essa ferramenta possibilita negociações junto ao fisco, considerando os critérios estabelecidos na legislação.

A existência de passivos tributários é muito comum em momentos de crise. As empresas passam a ter uma preocupação constante, pois os passivos tributários representam um entrave na operação regular da empresa, uma vez que pode acarretar:

  1. limitação a regimes tributários mais vantajosos,
  2. bloqueio da Certidão Negativa de Débitos (impedindo contratar com o Estado),
  3. inscrição no CADIN ou SERASA e
  4. bloqueio de bens, quando em execução judicial.

Nesse artigo trazemos os principais aspectos da Transação Tributária com a PGFN – Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, suas modalidades e condições.

1. O QUE É TRANSAÇÃO TRIBUTÁRIA?

A transação tributária consiste na negociação entre o fisco e o contribuinte, mediante concessões mútuas, que permitem na extinção do crédito tributário, tendo como limite as determinações da Lei 13.988/2020 (conhecida também como Lei do Contribuinte Legal).

Após a transação tributária, cobrança do débito é suspensa enquanto perdurar o acordo e o contribuinte será excluído do Cadin, poderá obter certidão positiva com efeito de negativa, protestos extrajudiciais poderão ser cancelados e processos de execução fiscal serão suspensos.

2. QUAIS OS DÉBITOS SÃO ABRANGIDOS PELA TRANSAÇÃO TRIBUTÁRIA?

As dívidas a serem incluídas na transação tributária são débitos inscritos em dívida ativa da União, especialmente os considerados irrecuperáveis ou de difícil recuperação; vedada a transação de débitos de multas criminais.

>>>> Destaques:

  1. A transação de débitos de Simples Nacional e FGTS ainda está pendente de normatização.
  2. No caso de débitos previdenciários, o prazo de parcelamento é de até 60 meses e não de até 84 meses ou de 100 meses;
  3. A PGFN poderá impedir a realização do acordo, caso identificados indícios de divergências nas informações cadastrais, patrimoniais ou econômico-fiscais do sujeito passivo.

3. COMO É DEFINIDO O GRAU DE RECUPERAÇÃO DÉBITO?

A caracterização como dívidas de difícil recuperação ou irrecuperável pela PGFN, se dá quando a situação econômica do devedor não permite o pagamento integral das suas dívidas no prazo de 5 anos.

A PGFN faz essa avaliação a partir das informações cadastrais, patrimoniais ou econômico-fiscais prestadas pelo devedor ou por terceiros à PGFN ou aos demais órgãos da Administração Pública. Nesse ponto, vale mencionar que caso o contribuinte não concorde com a avaliação poderá recorrer.

Além disso, são considerados irrecuperáveis os débitos inscritos em dívida ativa que estejam nas seguintes situações:

I – inscritos há mais de 15 (quinze) anos e sem anotação de garantia ou suspensão de exigibilidade;

II – suspensos por decisão judicial há mais de 10 (dez) anos;

III – de titularidade de devedores: a) com falência decretada; b) em processo de recuperação judicial ou extrajudicial; c) em liquidação judicial; d) em intervenção ou liquidação extrajudicial;

IV – de titularidade de devedores pessoa jurídica cuja situação cadastral no CNPJ seja: a) baixada por inaptidão; b) baixada por inexistência de fato; c) baixada por omissão contumaz; d) baixada por encerramento da falência; e) baixada pelo encerramento da liquidação judicial; f) baixada pelo encerramento da liquidação; g) inapta por localização desconhecida; h) inapta por inexistência de fato; i) inapta por omissão e não localização; j) inapta por omissão contumaz; k) inapta por omissão de declarações; l) suspensa por inexistência de fato;

V – de titularidade de devedores pessoa física com indicativo de óbito; e

VI – os respectivos processos de execução fiscal estiverem arquivados com fundamento no art. 40 da Lei nº 6.830, de 22 de setembro de 1980, há mais de 3 (três) anos.

4. QUAIS AS VANTAGENS DO ACORDO DE TRANSAÇÃO?

As vantagens são:

I – Desconto de até 50% sobre o valor total da dívida, que pode chegar a 70% em caso de pessoa natural, microempresa, empresa de pequeno porte, Santas Casas de Misericórdia, instituições de ensino, sociedades cooperativas e demais organizações da sociedade civil de que trata a Lei nº 13.019, de 31 de julho de 2014;

II – Parcelamento do débito em até 84 meses, que pode chegar a 100 meses na hipótese de pessoa natural, microempresa, empresa de pequeno porte, Santas Casas de Misericórdia, instituições de ensino, sociedades cooperativas e demais organizações da sociedade civil de que trata a Lei nº 13.019, de 31 de julho de 2014;

III – Carência de até 180 dias para início do pagamento, no caso de empresas em processo de recuperação judicial;

IV – Flexibilização das regras envolvendo prestação de garantias, penhora e alienação de bens;

V – Possibilidade de amortizar ou liquidar a dívida com créditos líquidos e certos do contribuinte em desfavor da União ou precatórios federais próprios ou de terceiros.

5. QUAIS AS MODALIDADES DO ACORDO DE TRANSAÇÃO?

6. COMO MANTER O ACORDO DE TRANSAÇÃO?

A manutenção do acordo de transação está condicionada a:

  1. cumprir os termos ajustados no acordo;
  2. prestar informações sobre seus bens ou receitas, sempre que solicitado pela PGFN;
  3. agir com boa-fé, não utilizando a transação para prejudicar seus concorrentes;
  4. reconhecer definitivamente os débitos transacionados;
  5. manter-se regular com o FGTS;
  6. regularizar, no prazo de 90 (noventa) dias, os débitos que vierem a ser inscritos em dívida ativa ou que se tornarem exigíveis após a formalização do acordo de transação.

7. O QUE PROVOCA A RESCISÃO DA TRANSAÇÃO?

Ocorrerá a rescisão da transação nas hipóteses de:

  1. Descumprimento do acordo ajustado;
  2. Comprovação de fraude praticada pelo devedor, inclusive fraude à execução;
  3. Decretação de falência.

>>> Consequências: o saldo devedor será atualizado, excluindo as vantagens obtidas e os valores pagos durante a transação. Bem como, estará o contribuinte impedido de realizar nova transação, pelo prazo de 2 anos.

A Camargos Contadores & Associados, sua contabilidade em Brasília, é especialista em Consultoria Tributária e Contabilidade Consultiva. Com especialista de alta performance, temos foco em atender os itens acima exemplificados, mas acima de tudo em atender suas necessidades específicas.

Acompanhamos seu negócio antes e durante, com foco no seu crescimento sustentável e numa lucratividade ascendente. 

A Camargos Contadores & Associados está à disposição para uma conversa sobre Transação Tributária na PGFN, ou caso prefira comente logo abaixo.

Quer mais conteúdos como este?

Visite nossas redes sociais ou assine nossa newsletter.

Últimas postagens

Conteúdos relacionados

Conheça mais sobre a contabilidade e como ela pode ajudar na estratégia da sua empresa.

Fique por dentro dos nossos conteúdos!

Assine nossa newsletter ou visite nossas redes sociais